quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

MOTOTÁXI SUPRE FALTA DE ÔNIBUS NO INTERIOR.

·          Email

·         | Imprimir |

Atualizado em 20.02.2013

Limoeiro do Norte. Os serviços de mototaxistas têm virado alternativa para o transporte intermunicipal. Com a ausência de ônibus e topiques em determinados horários, a saída encontrada pelos passageiros é fretar uma moto para seguir seu destino. Para a classe significa uma renda a mais, para o cliente o preço é um ponto alto e de certa forma arriscado por não oferecer muita segurança.

Muitos taxistas não cobram preços fixos nos deslocamentos. A demanda do mercado influi nos preços, assim como a necessidade de se cobrar preços camaradas para manter uma clientela fiel aos condutores Foto: Ellen Freitas


Os destinos mais comuns são as cidades circunvizinhas como Russas, Tabuleiro do Norte, Morada Nova, Tabuleiro do Norte e Quixeré, com preço variando de R$ 12,00 a R$ 60,00, dependendo do condutor.

"Não tem um preço fixo, depende muito do condutor, tem alguns que colocam preços altos demais", afirma Claudenir Araújo, mototaxista há três anos. Ele conta que as corridas mais frequentes são para o município de Tabuleiro do Norte, a 15 minutos de Limoeiro, onde ele cobra R$ 12. "Geralmente, é entre os horários de 12 às 14 horas, quando não tem ônibus ou topique para lá. Quase todos os dias deixo clientes nessa cidade", afirma o condutor.

Segundo ele, a profissão oferece muitos riscos, principalmente devido ao tráfego intenso de veículos nas rodovias e os assaltos, que acontecem com uma certa frequência. Ele conta que o condutor precisa ficar atento para não passar por situações ruins. "Corridas para o município de Quixeré à noite costuma ser mais perigoso por causa de assaltos. Já para Russas o perigo está na BR, onde o trânsito é bastante intenso, podendo acontecer acidentes. Quem trabalha de mototáxi precisa ter muito cuidado porque acabamos ficando muito expostos", lamenta.

Apesar das dificuldades e trabalho difícil, ele garante que conheceu muitas pessoas honestas e que fez amizade. "Acabaram se tornando clientes fiéis", comenta Cleudenir.

De acordo com o presidente da Associação de Mototaxistas de Limoeir do Norte (Amol), Girleudo de Araújo, hoje a associação conta com 156 associados e que o número aumentou em comparação com o ano passado. "Ingressaram dez novos associados, isso é reflexo do crescimento da população que demanda mais serviço, estamos tentando nos adequar para atender a todos", afirma.

Segundo ele, a Associação procura organizar a categoria e reivindicar, junto às autoridades de trânsito, melhorias para o trabalho nas ruas.

Segundo Girleudo, após o início das blitze educativas realizadas pelo Departamento Municipal de Transito (Demut), o número de acidentes envolvendo mototaxistas diminuiu no município. "Com a fiscalização, todos os condutores, não só de moto, mas de carro, ficaram mais cautelosos e isso tem refletido de forma positiva para a categoria", ressalta o presidente.

Sobre os preços das corridas, a única determinação da Associação são para viagens no centro da cidade, que custam R$ 3,00. "Fora isso, cada um é quem determina seu preço, dependendo da viagem, do horário, e da disponibilidade, se ele terá que esperar ou não, daí varia muito de preço", explica.

Girleudo afirma também que mesmo tendo aumentado o número de associados, a estiagem refletiu nos serviços. "Nós fazíamos muita corrida para a zona rural, mas com a seca as pessoas estão se deslocando menos, então, as viagens diminuíram consideravelmente. Têm colegas que estão deixando a bata para trabalhar em outra coisa".

Nas próximas semanas, o Demut realizará vistorias nas motocicletas e será cobrado dos motaxistas alvará expedido pela Associação. O objetivo, segundo o Diretor do Demut, Sebastião Roque, é organizar a categoria diante das novas exigências da autarquia municipal. A ação é uma das medidas adotadas para organizar o trânsito no centro da cidade, que tiveram início em janeiro deste ano

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário