segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Adiadas novas regras para motoboys

EVERTON ZANIBONI

EVERTON ZANIBONI

O Contran (Conselho Nacional de Trânsito) decidiu adiar para fevereiro as novas regras para o exercício da profissão de motoboys, que entrariam em vigor a partir de hoje. Além de itens de segurança nas motocicletas, os condutores que trabalham com o serviço de transporte rápido deverão fazer curso preparatório.
A decisão do Contran, tomada na quinta-feira após protesto de profissionais em São Paulo, produziu alívio ao menos temporário no setor, que terá mais seis meses para se adaptar às normas.
Elas estabelecem, por exemplo, que as motocicletas devem estar equipadas com proteção para motor e pernas, conhecida como “mata-cachorro”, antena corta-pipa e baú de carga com adesivos refletivos.
O condutor deverá ter no mínimo 21 anos, possuir Carteira Nacional de Habilitação na categoria “A” com validade de pelo menos dois anos, utilizar coletes e capacetes com refletivos, e possuir um curso de capacitação de 30 horas.
Em Mogi Mirim, o principal problema reclamado pelas empresas de entregas rápidas é com o curso preparatório oferecido pelo Detran (Departamento Estadual de Trânsito) que não é realizado na cidade, nem em Mogi Guaçu. “Sei que tem em Limeira e Campinas, aos sábados e domingos. Vamos buscar informações”, disse Filipi Augusto Rosa, responsável pela Tag Veloz.
Márcia Polidoro, proprietária da Itaboys Transportes Urgentes, está ciente das novas normas e reclama da falta de opções para que seus motoboys façam o curso. “Os equipamentos são mais simples e serão trocados. Mas o curso não tem na região e em Campinas não tem vagas”. “Estamos nos adequando aos poucos”, contou, antes de saber que as exigências haviam sido adiadas para fevereiro.
Quanto aos equipamentos, Filipi disse estar tranquilo. Ele informou que as motos de sua empresa, desde o ano passado, já estão equipadas com os itens de segurança que serão obrigatórios. “Quanto mais seguro melhor”, disse.
O motoboy Wellington Henrique Oliveira Gonçalves, que está há três meses na empresa, concorda e gostou das novas normas. “É mais confortável, mais seguro. Só acho que deviam ter mais postos próximos para o curso”, criticou
A resolução do Contran proíbe o transporte de combustíveis, produtos tóxicos ou inflamáveis. Gás de cozinha é a exceção neste caso. Para que seja permitido o transporte de tais itens, a motocicleta deverá conter um reboque anexado.
Quando elas estiverem em vigor, quem não respeitar as normas poderá pagar multa de até R$ 191,54, além de correr o risco de ter a moto apreendida e a Carteira de Habilitação suspensa.

FISCALIZAÇÃO
A fiscalização das novas regras será efetuada pelos sete agentes de trânsito do Departamento de Trânsito e Transportes da Prefeitura. Ela será feita mediante constatação do agente, sem a necessidade de abordagem, exceto nos casos de transporte remunerado de pessoas, quando o veículo não for licenciado para este fim. Em Mogi Mirim, o serviço de moto-taxi não é regulamentado.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário