domingo, 15 de julho de 2012

Taquara ainda não tem curso obrigatório para motociclistas

A partir de 4 de agosto, o motociclista prestador de serviços que for pego sem cumprir a resolução 350 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) estará cometendo um infração grave e, além de pagar uma multa de R$ 127,69, perderá cinco pontos na carteira e terá o veículo e a mercadoria transportada retidos. A norma exige que os profissionias passem por um curso de especialização. O Centro de Formação de Condutores de Taquara já possui uma instrutora para o curso de motofrete e mototáxi, e está buscando se organizar para cumprir os demais pré-requisitos exigidos pelo Contran.

O diretor do CFC, Henrique Hermann, ressaltou que o prazo é muito curto para que todos os Centros de Formação de Condutores do interior consigam se adequar a tempo. A mesma dificuldade é enfrentada pelos motociclistas que trabalham com frete ou mototáxi, que são obrigados a realizarem aulas de 30 horas de especialização. Para estar habilitado a fazer o curso é preciso ter pelo menos dois anos de carteira na categoria A, e ter no mínimo 21 anos de idade. Os profissionais também precisam ter placa vermelha, mata-cachorro e faixas refletivas no capacete e baú.

A instrutora Elisiane Correa, que é a única profissional da região capacitada para ministrar o curso especializado aos motociclistas, destacou que a resolução do Contran objetiva melhorar a capacitação do profissional que usa o veículo de duas rodas para o seu trabalho diário. “Meu objetivo como instrutora teórica é de moldar atitudes que, até então, o condutor tem como certas, mostrando que existem, sim, mudanças no trânsito”, disse. Elisiane também ressaltou que esta é uma responsabilidade que está nas mãos de cada um, e que deve ser colocado em prática o conhecimento adquirido no curso para mototaxista e motofretista

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário