quinta-feira, 26 de abril de 2012

Intimidade com segurança

Eu sou a minha moto. A afirmação pode parecer estranha, mas reflete a total identificação do advogado Antonio Widower com o veículo. "A moto retira o estresse, me integra à paisagem e propicia, mesmo nas dificuldades do trânsito urbano, o que defino como uma intimidade maior com a cidade", atesta. Aos 49 anos, o advogado explica que a motocicleta faz parte da sua vida e de sua personalidade. Conta que a maior influência em sua carreira de motociclista, que se iniciou aos 18 anos de idade, foi o avô Vinicius Nalepinski, que, a partir dos anos 40, passou 38 anos sobre duas rodas. Mas nem tudo é só paixão.O motociclista considera fundamental para quem decide andar sobre duas rodas o uso dos equipamentos de segurança de qualidade, hoje abundantes no mercado global e brasileiro. Segundo ele, há no mercado capacetes que resistem a impactos de quase 1 tonelada, além de jaquetas e calças em couro ou material sintético estruturadas (com kevlar ou fibra plástica de grande resistência a impactos) que evitam lesões graves em quedas. Profissional, alerta para o perigo do uso de capacetes não regulamentados pelo Inmetro. "Assim como vemos nas ruas motociclistas que não utilizam luvas, jaquetas protetoras ou botas especiais, que muitas vezes evitam as fraturas de tornozelo e pé", exemplifica.Widower também enfatiza a importância de atenção constante e total dedicação, física e psíquica, ao ato de conduzir uma motocicleta, independente do nível de experiência do condutor com o veículo. Para o advogado, além do lado prático da motocicleta, o mais importante é o "estado de espírito". "O meu, por exemplo, se eleva no uso da moto", ressalta.Além da influência do avô, o advogado herdou a admiração pelas grandes e belas motocicletas, "como as Norton ou Indian, que foram preservadas por ele, integrando o nosso acervo familiar. Imagine o deslumbramento para uma criança vendo aquele homem, já maduro, chegar com sua motocicleta imponente na casa de meu pai. São lembranças que ficaram gravadas em minha memória e que me impeliram para este mundo fascinante em duas rodas", conta o advogado.


Fonte da notícia: Correio do Povo

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário