quarta-feira, 7 de março de 2012

Ciclistas e motociclistas pedem mais respeito\


Usuários querem melhores condições para trafegar, mas Bauru está despreparada para atender essa realidade Daniela Penha/Colaboração para o BOM DIA


Na manhã deste domingo (4), Bauru foi sede de um dos mais importantes eventos de ciclismo do estado. A Copa São Paulo de Ciclismo teve seu início na cidade sem limites. Cerca de 200 ciclistas profissionais participam anualmente do evento, além do grupo iniciante.



No final da tarde, dois acidentes vieram contrastar a bela manhã em duas rodas. O primeiro deles aconteceu por volta das 18h. O garoto Pablo Henrique Lining, de 9 anos, andava de bicicleta quando foi colidido por um veículo no cruzamento das ruas Jurandyr Bueno com a João Simonetti, Parque Bauru. Em Boletim de Ocorrência, consta que a criança avançou o pare.



A motorista , uma mulher de 25 anos, trafegava devagar e deu todo o atendimento à vítima. Para o pai do garoto, o contador Valmir Rezende, a atitude demonstra consciência. “Ela fez tudo certo! Se fosse alguém que estivesse correndo, teria sido grave”. Pablo sofreu escoriações leves, foi medicado no Pronto Socorro Infantil e está em casa. Vai ficar de molho por dois dias e retomar a vida normal.



A mesma sorte não se repetiu no segundo acidente. O jovem Rafael José Rodrigues, 18, é morador do Santa Cândida e precisa cruzar a rodovia Comandante João Ribeiro de Barros para levar a mãe Sidnéia Maria Rodrigues, 41, ao trabalho de camareira em um motel nos arredores. Na noite deste domingo, quando faziam o trajeto, os dois foram atingidos por um veículo que fugiu do local sem prestar atendimento.



Rafael está internado na UTI do Hospital de Base em estado grave. Sidnéia teve fraturas no fêmur, passou por cirurgia e está internada em um quarto do mesmo hospital. Francisco da Silva, pai de Rafael e marido de Sidnéia, está inconformado : “É muita falta de respeito! Nem parou para ajudar”.



Os dois casos levam à reflexão. Ainda neste ano, a cidade irá sediar outros dois eventos de ciclismo de importância nacional e estadual e investiu R$23 mil em uma equipe de Mountain Bike. Em âmbitos urbanos, somamos 18 km de ciclofaixas e ciclovias. O presidente da Emdurb, Nico Mondelli, garante que a cidade tem pensado um plano de mobilidade urbana e que a questão das bicicletas é pauta de muita importância: “Nós queremos que a cidade tenha um rota cicloviária que possibilite que as pessoas possam se transportar de maneira acessível”.



Quem entende do assunto, no entanto, acha que o que tem ainda é pouco e que falta, principalmente, consciência. “Já chegaram até a me mandar andar na calçada”. A afirmação é de Edenilson Rogério Veríssimo. Dono da loja De Bike, ele pegou gosto pela bicicleta trabalhando como entregador de jornais quando criança. Hoje, organiza e participa de quatro grupos de ciclismo da cidade. Só não anda mais de bicicletana perímetrourbano porque “a cidade não permite”. “Se eu vou no centro guardo a bike na casa de um amigo ou na loja de um conhecido porque não temos estacionamentos próprios”.



Ele já perdeu as contas de quantas vezes sofreu acidentes: “Já fui atropelado, cai por causa de buracos, sofri acidentes nas rodovias”. E acha que essa situação só vai mudar com a união de políticas públicas e conscientização. “As pessoas não veem a bicicleta como um veículo e sim como algo que atrapalha. Também falta estrutura”. No ano de 2011, entre área urbana e rural, Bauru registrou 68 acidentes com vítimas envolvendo ciclistas. Neste ano, foram 5 registros.



O tenente Michel Collis Prieto, comandante do Pelotão de Trânsito da Polícia Militar, acha que as atitudes tem que vir dos dois lados: “Os motoristas devem respeitar os ciclistas, assim como os ciclistas deve, procurar conhecer as normas de trânsito e respeitá-las, além de usar ítens de segurança”. Edenilson, no entanto, acha que o maior deve reconhecer-se e ser mais atento. “Em um acidente entre um carro e uma bicicleta quem tem mais chances de se machucar?”.



Rota cicloviária e consciência são os objetivos da Emdurb



Um dos principais projetos da Emdurb para os ciclistas bauruenses é interligar ciclovias e ciclo-faixas de forma que a cidade tenha uma rota cicloviária que possibilite ao ciclistas percorrer trajetos como bairro-centro com segurança.



As informações foram passadas pelo presidente da Emdurb Nico Mondelli. Ele conta que o mapa cicloviário traçado para Bauru em 2008 tem sido revisado afim de melhorias: “Convidamos o ciclista Marco Labão e estamos pedalando pela cidade para descobrir as melhores rotas”. Nico explica que as novas avenidas projetadas para Bauru já contam com ciclovias.



“Nas avenidas que serão construídas, deixamos um espaço só para as bicicletas, que são as ciclovias. Nas outras, abrimos uma faixa onde a bicicleta tem a preferência, ciclofaixas. Nas novas avenidas, esse espaço já está guardado, como é o caso da avenida Nações Norte, inaugurada a pouco tempo”. Para a conscientização, a Emdurb tem feito ações em escolas e treinado seus agentes de trânsito. “Tanto agentes quanto munícipes devem saber como andar, como sinalizar, como orientar”.



O corretor de imóveis e ciclista Marco Labão é conhecido pela cidade por defender e usar o transporte em duas rodas constantemente. Ele vai e volta do trabalho de bicicleta e procurar usá-la sempre que pode. Para ele, conscientização é o principal: “O mais difícil é conscientizar as pessoas de que a bicicleta é um veículo. Cidades do mundo inteiro tem voltado sua atenção para a bicicleta. Precisamos ter respeito!”.



Ciclista morre na Paulista

Na última sexta-feira (2), uma cliclista de 33 anos morreu atropelada na avenida Paulista, em São Paulo. Há suspeitas de que um ônibus tenha feito ela cair. O caso causou comoção e manifestações pela capital e pela internet.



100 é o número de pessoas que se reuniram da Praça das Bicicletas, em São Paulo, para protestar pela ciclista.



Respeite um carro a menos

É um movimento criado por ciclistas do Brasil e veiculado pela internet, que pretende chamar a atenção a sustentabilidade e perfil ecológico da bicicleta que polui, congestiona e gasta menos do que um carro ou veículo automotor. Ciclistas tem usado plaquinhas com a frase em suas bikes.



Pedale com segurança

Use ítens de segurança como capacete, luvas e óculos. Equipe sua bicicleta com farol, lanterna e refletivos para ser visto. Use um espelho retrovisor no lado esquerdo. Adeque sua roupa de maneira que ela não atrapalhe ao pedalar. Respeite a sinalização de trânsito e o sentido das vias, não andando na contramão e respeitando o sinaleiro. Mostre ao motorista o que você vai fazer, sinalizando com as mãos. Mantenha-se atento!



EM 2011

52: é o número de acidentes com vítimas registrados na áera urbana de Bauru. Nenhum morte foi registrada em 2011.



16: é o número de acidentes registrados nas rodovias da região (abrange Bauru, Lins e Jaú), sendo 5 com vítimas leves, 8 com vítimas graves e 3 com mortes.



EM 2012

3: é o número de acidentes com vítimas registrados na área urbana de Bauru. Por enquanto, nenhum morte foi registrada.



2: é o número de acidentes com vítimas registrados nas rodovias da região (abrange Bauru, Lins e Jaú), sendo 1 com vítimas leves e um com vítimas graves.



ONDE PEDALAR

Ciclovias:

> Avenida Edmundo Coube

> Núcleo Otávio Rasi

> Nações Norte

> Ciclofaixas

> Avenida Getúlio Vargas

> Bairro Mary Dota

> Avenida Comendador da Silva Marta

> Avenida Moussa Tobias

Nenhum comentário:

Postar um comentário