terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Conheça a jaqueta com air bags para motociclistas

Conheça a jaqueta com

Equipamento de proteção infla quando condutor é lançado do veículo

 

Divulgação

Bolsas são infladas com CO2 e protegem
áreas vitais como cervical, cóccix e tórax

Pense naqueles carros com os mais variados tipos de air bags (de motorista, passageiro, laterais). Agora pense num carro sem air bag nenhum. Mesmo sem essas bolsas de ar, que já salvaram a vida de muita gente, o carro ainda é um meio de transporte muito mais seguro do que a mais segura das motocicletas. Afinal, o carro tem uma célula de sobrevivência, tem componentes na carroceria que absorvem a energia do impacto e ainda tem cinto de segurança. A moto não tem nada entre o condutor e a pista. Pior: só tem duas rodas.

Veja as motos 'de macho' da Confederate

Galeria: as rodas mais exageradas do mundo

A boa notícia é que tem engenheiro tentando compensar um pouco dessa falta de segurança. A Leroup, uma empresa brasileira especializada em equipamentos de proteção individual, associou-se à japonesa Mugen Denko para a criação de uma jaqueta que vem com air bag embutido. Ou seja: se não dá para evitar o tombo, a saída é, pelo menos, minimizar o impacto da queda.

Entenda o processo

O equipamento funciona da seguinte forma: uma trava de segurança liga a jaqueta à estrutura da moto. Quando o motociclista é arremessado, a trava é liberada, acionando um cilindro de gás carbônico que infla as câmaras de ar da jaqueta instantaneamente. O processo todo leva menos de meio segundo, mal dá para piscar.

As câmaras, espalhadas pela jaqueta, abrangem as áreas do pescoço, costas, tórax, abdômen, coluna cervical e cóccix. Segundo Vanderley Almeida, diretor da Leroup, a “jaqueta-air bag” protege contra 80% das lesões críticas que o motociclista pode sofrer.

Ele explica ainda que é necessário um puxão equivalente a 30 kg para que o cilindro seja ativado, o que impede que o motociclista acione o airbag por engano ao descer da moto sem destravar o cabo que liga a jaqueta ao veículo de duas rodas.

Diferentemente do que acontece com o air bag de carro, esse da jaqueta pode ser reaproveitado depois de um primeiro impacto, segundo explica Almeida.

- Só precisa trocar o cilindro de CO2, que custa em torno de R$ 60.

A jaqueta também foi feita com material antiescoriação, para minimizar o “esfolamento” do motociclista, que acaba rolando pela pista. Ainda conta com material refletivo aprovado pelo Denatran.

Mais air bags para o motoqueiro

Embora os veículos de quatro rodas já tenham airbags desde os anos 1970, foi só em 2005 que lançaram um sistema parecido para as motocicletas. Foi quando a Honda instalou o recurso em sua Gold Wing. Nesse caso, a bolsa de ar infla sobre o tanque. O objetivo é proteger o motociclista em caso de colisão frontal.

Teste: rodamos 1.000 km com o novo Civic

Um ano antes, a empresa espanhola APC Systems já havia lançado um airbag de capacete, para proteger o motociclista de lesões na região cervical. Embora a ideia seja ótima, ela ainda não vingou, por tornar o capacete muito pesado. Mas é um primeiro passo para novos desenvolvimentos visando à segurança sobre duas rodas.

Para a proteção do trabalhador

Almeida aponta que o objetivo é difundir a jaqueta entre as empresas que contam com motociclistas profissionais em seus quadros. Ele acredita que o governo deve indicar a obrigatoriedade da empresa fornecer a jaqueta a seus empregados motorizados, assim como qualquer oficina tem o dever de fornecer equipamentos de proteção individual a seus pintores e funileiros.

- Estamos pleiteando junto ao governo a criação de uma norma específica, que dê diretrizes para a profissão de motociclista profissional. Ele tem de receber equipamento de segurança como um trabalhador comum. Então não se deve classificar essa jaqueta como um equipamento de trânsito, e sim associar com a lei trabalhista, porque é um equipamento de proteção individual.

Brasil no “top 5” das mortes no trabalho

Segundo a Organização Internacional do Trabalho, o Brasil é o quarto país com mais óbitos provocados por acidentes profissionais. Só perde para China (a “campeã”), Estados Unidos e Rússia. E, coincidência ou não, a área de transportes está entre as que mais matam, junto com armazenagem e comunicações.

Você conhece os tipos de motos? Faça o quiz e descubra

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário