domingo, 29 de janeiro de 2012

Motoboy é suspeito de simular assalto

 

Segundo o delegado, os policiais da 8ª DP encontraram R$ 10 mil na cueca do empregado da concessionária

Tamanho da Fonte Redação Jornal Coletivo

Ao relatar a ocorrência como vítima, os policiais perceberam contradições do denunciante que trabalhava há seis anos na empresaFoto: Brito Ao relatar a ocorrência como vítima, os policiais perceberam contradições do denunciante que trabalhava há seis anos na empresa
Um motoboy de uma concessionária, localizada no Trecho 2, do Setor de Indústria e Abastecimento (SIA), foi preso, na tarde de ontem, depois de simular um assalto. A empresa em que Pedro Lisboa, 27 anos, trabalha, há seis anos, tinha pedido ao motociclista que sacasse R$ 57 mil em um banco da região e depositasse o dinheiro em outra agência bancária. De acordo com a polícia, o motoboy tinha combinado o roubo com um comparsa, que levou a motocicleta, uma mochila com o dinheiro e documentos do funcionário. Após o golpe, o rapaz se dirigiu à 8ª DP (SIA) para registrar ocorrência como vítima, mas acabou sendo descoberto pelos agentes como o autor de falsa comunicação.

O delegado-adjunto, Sérgio Bautzer, conta que o motoboy chegou na delegacia dizendo que tinha sacado um dinheiro para a concessionária e que na saída da agência tinha sido assaltado por um homem armado. A polícia chegou a mostrar imagens de criminosos do banco de dados da delegacia para que Lisboa tentasse identificar o assaltante e fez diligências nas ruas da cidade para tentar achar o bandido, mas não tiveram êxito nas ações.


Dívida e ameaça seriam as razões

O delegado ainda relata que durante as investigações, o motoboy começou a agir de forma estranha e apresentar desconfiança e nervosismo, fato que fez com que os agentes desconfiassem dele. Os policiais, então, resolveram revistá-lo e encontraram R$ 10 mil, em notas de 100, escondidos na cueca do denunciante. Ele, então, confessou ter armado o crime e disse que teria feito isso por estar devendo R$ 15 mil no comércio e que estava sendo ameaçado de morte devido à dívida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário