quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Campanha vai educar pedestres sobre travessia



EPTC fará abordagens nas vias e palestras em escolas da Capital
ANA PAULA APRATO/JC
Ferreira defende realização de aulas práticas para motociclistas
Ferreira defende realização de aulas práticas para motociclistas
As ações de fiscalização da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) estarão concentradas em 2012 em dois segmentos: pedestres e motociclistas. Das 137 mortes ocorridas no trânsito de Porto Alegre no ano passado, 59 foram atropelamentos e 56 tiveram o envolvimento de motos. Para o diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari, o pedestre tem que ser preservado porque é a parte mais frágil do sistema de mobilidade urbana.

Segundo ele, a ideia é intensificar a fiscalização dos motoristas de veículos particulares, ônibus e lotações que não dão preferência aos pedestres nas faixas de segurança. "Vamos trabalhar o comportamento do motorista com relação ao pedestre e também do cidadão que é displicente e acaba atravessando em local inadequado", comenta.

De acordo com Cappellari, a equipe de educação da empresa fará nos próximos dias a abordagem da população para informar sobre a travessia segura nas vias da cidade. Além disso, a ideia é realizar palestras nas escolas para que as crianças levem a mensagem para casa. "Com a ajuda dos estudantes, queremos mudar o comportamento de pedestres e motoristas no trânsito", acrescenta.

A distribuição de material educativo sobre a travessia segura será realizada para quem circula nos corredores de ônibus. Além disso, motoristas das linhas metropolitanas serão orientados a respeitar o limite de velocidade de 30 quilômetros dentro das estações. "Todo dia multamos um condutor por excesso de velocidade dentro dos corredores", destaca.

Com relação aos motociclistas, Cappellari afirma que será trabalhada a formação e o uso dos equipamentos de segurança. Segundo ele, na maioria das vezes, os profissionais têm um comportamento inadequado, com manobras arriscadas que acabam resultando em acidentes.

O presidente do Sindicato dos Motociclistas Profissionais (Sindimoto), Valter Ferreira, elogiou a preocupação das autoridades com relação à categoria. No entanto, ele afirma que a única forma de reduzir os acidentes com os condutores de motos é realizar cursos práticos. "O condutor de moto tem hoje apenas as aulas teóricas do Centro de Formação de Condutores (CFC) e é jogado neste trânsito violento da Capital", afirma.

Ferreira destaca ainda que o despreparo não é somente dos motociclistas. Para ele, motoristas, pedestres, ciclistas e skatistas deveriam ser orientados porque a todo o momento desrespeitam as regras de trânsito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário