quinta-feira, 24 de novembro de 2011

PREFEITURA DE SAO GABRIEL LACRA PORTA DE TELEMOTO, MESMO COM APRESENTAÇÃO DE ALVARÁ.

 

A câmara Municipal de Vereadores de São Gabriel recebeu na manhã desta terça-feira (22) uma denúncia de ato irregular do setor de fiscalização da prefeitura municipal. Os representantes da telemoto Buskar (Lokão) informam que a empresa está com a porta lacrada desde segunda-feira (21) por ação do setor de trânsito que aponta insuficiência de documentos para regularização da atividade. A questão é: a empresa tem alvará válido até 11 de dezembro deste ano. A direção da ASPEME, em contato telefônico com o presidente do Legislativo Municipal, vereador Carlos Alberto Mac Cord Lannes (que recebeu os motociclistas), garantiu que o ato é ilegal. “A empresa realmente não poderia estar impedida de abrir as portas, afinal de contas, tem alvará de funcionamento liberado pela própria prefeitura”, disse Lannes.
A polêmica é ainda maior.
A empresa tem 14 motociclistas (que trabalham em dois turnos – noite e dia), além de duas secretárias. Os funcionários acusam a direção do Sindimotos de estar fazendo vistas grossas ao pedido de regularização da empresa aos critérios de exigências da nova lei que regulamentou a profissão no município.
O responsável pelo “ponto” garante que a documentação exigida pela prefeitura e pelo Sindimotos foi encaminhada dentro do período de 60 dias – prazo legal após a publicação da lei. No entanto, entraves burocráticos paralisaram o processo e a liberação acabou não saindo neste prazo. Por causa disso, os motociclistas estão impedidos de trabalhar.
A empresa contabiliza um prejuízo diário que varia entre R$ 1.400 e R$ 2.000. “Hoje, em média, cada motociclista ganha entre R$ 80 a R$ 100 por dia. Se continuarmos parados, não vamos ter condições de sustentar nossas famílias, de comprar alimentos e de pagar nossas contas”, comenta Jorge Guedes, que trabalha como telemoto na empresa.
O medo é ainda maior. “Se ficarmos mais um ou dois dias fechados, podemos estar sujeitos a fechar definitivamente as portas. Vamos perder nossa clientela”, disse o responsável pelo “ponto”.

DENÚNCIA
Se é lei, tem que ser cumprida. Mas se a lei vale para um, tem que valer para todos. Enquanto o setor de fiscalização, com auxilio da Brigada Militar, lacrou a porta de uma empresa, mantém sem fiscalização outras empresas do ramo com as mesmas “irregularidades”. Hoje, o secretário Porto (chefe da Secretaria de serviços Urbanos) admitiu que todas as empresas que apresentarem os mesmos problemas serão fechadas.
É onde começa a polêmica.
Na verdade, só a telemoto Buskar acabou sendo fechada. Segundo os motociclistas, existem interesses pessoais dos dirigentes do Sindimotos em São Gabriel. “Trata-se de concorrência. A nossa empresa é uma das mais antigas (tem o telefone mais antigo e conhecido), por isso que os documentos ficam parados. É difícil conseguir alguma coisa desse jeito, ainda mais quando os dirigentes que deveriam dar agilidade ao processo são responsáveis também por empresas concorrentes”, falaram os motociclistas.
A telemoto Buskar (Lokão) foi fundada em 1992. É uma das mais antigas da cidade e deveria estar incluída entre as 15 teles aprovadas para funcionamento no Município.
Ainda hoje, com a presença do presidente do Legislativo Municipal, vereador Carlos Alberto Mac Cord Lannes e do vereador Rômulo Farias, dirigentes da empresa tentam solucionar o problema em contato, no setor de trânsito, com representantes do órgão.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário