sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Sem Correios, população recorre a motoboy e empresa de entrega

A paralisação dos Correios levou milhares de pessoas a buscar uma alternativa para entregas de encomendas.


Marco Aurélio de Carvalho, advogado da Abrapost, associação que representa as franquias dos Correios, afirma que, com a paralisação, que já dura 22 dias, muita gente está recorrendo a serviços de companhias de motoboy e de companhias especializadas em entrega rápida, como Fedex, DHL e TNT.


"Naturalmente, as franquias dos Correios estão sentindo a queda de demanda. Calcula-se que a procura por essas empresas especializadas já cresceu cerca de 50% desde o início da greve", diz Carvalho.


A situação é confirmada pelo Sindimoto-SP (Sindicato dos Mensageiros Motociclistas do Estado de São Paulo). "Aumentou muito a procura pelos motoboys. As empresas estão sentindo uma demanda muito forte", diz Gerson Silva, vice-presidente do SindimotoSP, que representa 10 mil motoboys na capital paulista.


O receio das franquias dos Correios é que, ao contratarem outras prestadoras de serviço, os consumidores migrem de vez para essas empresas, abandonando o serviço prestado pela estatal.


Na TNT Express, o volume de entrega realizado pela empresa cresceu 40%. A companhia, que atua em mais de 5.000 cidades, soma 8.000 funcionários, 2.500 veículos próprios e 1.500 terceirizados.


A DHL Express ainda fecha seus números, mas também tem trabalhado acima da média. Durante a última paralisação dos Correios, ocorrida em setembro de 2009, a DHL Express registrou aumento de 14% no envio de remessas expressas, incluindo operações domésticas e internacionais. No Brasil, a empresa atende 1.515 cidades.


Os Correios têm mais de 140 milhões de objetos parados em suas unidades pelo país.


No último fim de semana, um mutirão nacional organizado pela estatal entregou 13 milhões de cartas e encomendas pelo país. Uma das empresas mais antigas do país, os Correios costumam mencionar pesquisas com a população, que apontam a estatal como uma das empresas mais confiáveis do país em prestação de serviço.


BALANÇO


Nesses 22 dias de paralisação, houve atraso na entrega de 147 milhões de cartas e encomendas. O governo federal cortou o ponto dos grevistas e exigiu compensação dos dias não trabalhados.


A greve suspendeu os serviços de entrega com hora marcada dos Correios e também atrasos de três a quatro dias nos demais. A empresa pretendia ontem normalizar os serviços na próxima semana.


A empresa contabilizou um prejuízo diário de R$ 20 milhões. A cifra pode aumentar, uma vez que são comuns ações judiciais de clientes por conta dos atrasos.

Um comentário:

  1. Minha Empresa atende chamados pela Internet e tivemos que tirar o nosso Site do ar. O Site que usamos http://www.aluguemotoboy.com.br/ começou a gerar tantos chamados que congestionou nosso atendimento.

    ResponderExcluir