sexta-feira, 27 de maio de 2011

Mototáxi: projeto cria cota para mulheres em Corumbá

Notícias - Política
Escrito por Redação
Qui, 26 de Maio de 2011 09:33

A vereadora Cristina Lanza de Barros (PT) apresentou projeto de lei, na sessão desta segunda-feira da Câmara, que fixa a cota para mulheres mototaxistas nos pontos destinados a este serviço de transporte de passageiros.

O projeto autoriza a prefeitura a estipular 30% das vagas de todos os pontos de mototáxi regulamentados pela Agetrat (Agência Municipal de Trânsito e Transporte) para serem ocupadas por mulheres habilitadas para exercer a profissão.

Professores

Cristina Lanza solicitou informações à secretaria municipal de Educação sobre número de professores da Rede Municipal de Ensino que estão afastados para cursar mestrado ou doutorado. Estes professores são beneficiados por lei que permite afastamento com ônus.

Melhorias

Em dois requerimentos, a vereadora cobra da prefeitura o conserto dos buracos na rua Cabral, entre a Antônio João e Tiradentes, e a colocação de lâmpadas nos postes da rua 15 de Novembro, entre a Cuiabá e América, setor totalmente às escuras.

Motos terão de reduzir emissão de poluentes

AE - Agência Estado
Motocicletas fabricadas no Brasil terão limites de emissão de poluentes mais rigorosos a partir de 2014, conforme resolução aprovada ontem pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). A medida alcançará até as motos importadas. Os novos limites colocarão o País no mesmo nível de tolerância já adotado por Europa, Estados Unidos e Japão.



Estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgado anteontem mostrou que até 2017 haverá mais motos do que carros nas ruas. E parte da frota ainda polui até quatro vezes mais do que carros, informou Rudolf Noronha, gerente de qualidade do ar do Ministério do Meio Ambiente, referindo-se às motocicletas fabricadas até o início do Programa de Controle da Poluição do Ar por Ciclomotores, Motociclos e Similares, o Promot, criado em 2002. Em 2014, entrará em vigor a fase quatro do programa, com limites ainda mais rigorosos já indicados para 2016.


O médico e professor Paulo Saldiva, coordenador do Laboratório de Poluição da Universidade de São Paulo (USP), explica que o processo é positivo. Segundo ele, quando o programa de controle de emissões veiculares foi criado, em 1986, a moto quase não foi levada em conta. "Hoje elas já circulam quase em igual número. Agora tem de controlar igual. Eu acredito muito no sucesso desse programa, porque a moto tem uma vida útil mais curta. Um caminhão ruim dura 30 a 40 anos e uma moto na mão de um motoboy dura cerca de 5 anos. Assim, a velocidade de renovação é maior."


Os fabricantes de motocicletas não informaram ontem o custo da adaptação nas linhas de produção. Honda e Yamaha dominam o mercado brasileiro, que também registra a presença maior de importados da China. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Tópicos: Ambiente, Motos, Redução, Poluentes, Geral, Geral

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Canoas já tem moto-táxi




Sábado, 23 de abril de 2011 - Transporte/Geral


No Mathias, motoqueiros atendem pela central 3429.2424



Em julho de 2009, o ex-presidente Lula sancionou a lei 12.009/09, que dava conta da regulamentação do serviço de motoboy e moto-táxi.

Os serviços que já é uma realidade nas cidades de Alvorada, Novo Hamburgo, Pelotas, Santa Maria e outras cidades do Estado, deverá ser regularizada em Canoas através de Decreto do Executivo, atendendo uma necessidade popular para suprir uma demanda de passageiros que tem pressa e que não quer esperar por outro tipo de transporte.

Em Canoas os serviços estão sendo servidos por motoqueiros estabelecidos em um ponto no bairro Mathias Velho, que atendem pelo telefone 3429.2424.




CLIQUE NA IMAGEM PARA AUMENTAR O TAMANHO

Matienses estão pronto para servir a comunidade canoense



Para o motoboy Luiz Carlos Penha, 24 anos, que há nove anos dirige a sua moto, será uma grande oportunidade de servir a comunidade dando agilidade de locomoção de passageiros insatisfeitos com o transporte convencional.

Para o presidente do Sindimoto, Valter Ferreira, "Canoas já foi atendida por este serviço de moto-táxi, no governo do Lagranha, mesmo antes de ter uma lei federal, basta o prefeito decretar os serviços e a população terá mais um serviço de transporte rápido e seguro, e ainda, mais barato", afirmou.

Em encontro com o secretário de Transportes e Mobilidade de Canoas, Luis Carlos Bertotto, Valter recebeu a promessa de que o executivo irá avaliar a concessão dos serviços de moto-táxi no município.

O Sindimoto que atende o Rio Grande do Sul tem mais de 7 mil sócios e em Canoas quase 400, "sendo regulamentada os serviços deverá ter um dos melhores moto-táxi do Brasil já que inclusive deverá funcionar brevemente com um "motocímetro", aparelho moderno onde calcula os serviços prestados pelos motoqueiros", é o que afirma o diretor jurídico do Sindimoto de Canoas o advogado Felipe Espindola Carmona.

Valter Ferreira ainda confirmou que foi feito toda uma pesquisa na cidade e que certamente Canoas terá de ter em breve quase trezentos moto-táxi para atender a demanda.

Questionado sobre a segurança, o presidente do Sindimoto afirma que como em outras cidades e estados, a situação melhorou "algumas localidades, os acidentes com moto-táxi é zero, o próprio motoqueiro se conscientizou da questão da segurança quando transporta um passageiro".

De inicio os serviços de moto-táxi deverá ter um preço único de apenas R$ 5,00 para qualquer corrida dentro da cidade, o investimento inicial para um moto-táxi é em torno de R$ 8 mil, na possibilidade de retorno em menos de seis meses de serviço.


José Lima/Redação
Foto: Vinni Maciel/G5

Canoas já tem moto-táxi




Sábado, 23 de abril de 2011 - Transporte/Geral


No Mathias, motoqueiros atendem pela central 3429.2424



Em julho de 2009, o ex-presidente Lula sancionou a lei 12.009/09, que dava conta da regulamentação do serviço de motoboy e moto-táxi.

Os serviços que já é uma realidade nas cidades de Alvorada, Novo Hamburgo, Pelotas, Santa Maria e outras cidades do Estado, deverá ser regularizada em Canoas através de Decreto do Executivo, atendendo uma necessidade popular para suprir uma demanda de passageiros que tem pressa e que não quer esperar por outro tipo de transporte.

Em Canoas os serviços estão sendo servidos por motoqueiros estabelecidos em um ponto no bairro Mathias Velho, que atendem pelo telefone 3429.2424.




CLIQUE NA IMAGEM PARA AUMENTAR O TAMANHO

Matienses estão pronto para servir a comunidade canoense



Para o motoboy Luiz Carlos Penha, 24 anos, que há nove anos dirige a sua moto, será uma grande oportunidade de servir a comunidade dando agilidade de locomoção de passageiros insatisfeitos com o transporte convencional.

Para o presidente do Sindimoto, Valter Ferreira, "Canoas já foi atendida por este serviço de moto-táxi, no governo do Lagranha, mesmo antes de ter uma lei federal, basta o prefeito decretar os serviços e a população terá mais um serviço de transporte rápido e seguro, e ainda, mais barato", afirmou.

Em encontro com o secretário de Transportes e Mobilidade de Canoas, Luis Carlos Bertotto, Valter recebeu a promessa de que o executivo irá avaliar a concessão dos serviços de moto-táxi no município.

O Sindimoto que atende o Rio Grande do Sul tem mais de 7 mil sócios e em Canoas quase 400, "sendo regulamentada os serviços deverá ter um dos melhores moto-táxi do Brasil já que inclusive deverá funcionar brevemente com um "motocímetro", aparelho moderno onde calcula os serviços prestados pelos motoqueiros", é o que afirma o diretor jurídico do Sindimoto de Canoas o advogado Felipe Espindola Carmona.

Valter Ferreira ainda confirmou que foi feito toda uma pesquisa na cidade e que certamente Canoas terá de ter em breve quase trezentos moto-táxi para atender a demanda.

Questionado sobre a segurança, o presidente do Sindimoto afirma que como em outras cidades e estados, a situação melhorou "algumas localidades, os acidentes com moto-táxi é zero, o próprio motoqueiro se conscientizou da questão da segurança quando transporta um passageiro".

De inicio os serviços de moto-táxi deverá ter um preço único de apenas R$ 5,00 para qualquer corrida dentro da cidade, o investimento inicial para um moto-táxi é em torno de R$ 8 mil, na possibilidade de retorno em menos de seis meses de serviço.


José Lima/Redação
Foto: Vinni Maciel/G5

Governo espera que projeto dos mototaxistas seja aprovado










05/05/2011 às 10:34





Depois de muitas mudanças, está na pauta da sessão ordinária de hoje na Câmara Municipal o projeto de lei que regulamenta a profissão do mototaxistas, motoboy e motofrete. A expectativa é de casa cheia em plenário, com a presença dos profissionais da área, e o líder do governo, vereador Cleber Humberto Ramos, acredita na aprovação do projeto.
O projeto enfim será votado, visto que vem sendo discutido desde 1999, quando o vereador Luiz Humberto Dutra, em seu primeiro mandato, apresentou a proposta. No ano passado, elaborado pelo governo municipal, o projeto chegou a ser discutido em plenário, mas foi sobrestado. Dias depois retornou ao Executivo para modificações estabelecidas ao Contran e Detran. Agora, depois de muita conversa entre a classe, vereadores e governo, o projeto retornou ao Legislativo, e com 35 artigos entra para pauta de votação hoje.
Para regulamentação, os mototaxistas terão de obedecer algumas regras, como a quantidade de permissões que serão emitidas. Em Uberaba, somente 600 profissionais poderão atuar na área. Além disso, a lei traz normas como a padronização do veículo e a exigência de que profissionais estejam no exercício da profissão, com a idade mínima de 21 anos, habilitado há pelo menos 2 anos na categoria "A" e ainda passar por uma especialização que será oferecida pelo Contran.
Para que os mototaxistas possam acompanhar a votação do projeto, o presidente Luiz Humberto Dutra solicitou à Secretaria de Trânsito e Transporte para que libere um espaço na frente do prédio do plenário, para que os mototaxistas possam estacionar. Além disso, Dutra disse que irá participar ativamente da votação, repassando a presidência da sessão ao vice-presidente vereador Itamar Ribeiro. Por sua vez, Cleber diz que o governo acredita na aprovação do projeto, criando uma nova categoria em Uberaba. (GS)